Home / Poemas / Dona Tristeza

Dona Tristeza

Dona Tristeza precisamos conversar
Aqui no meu peito você não pode mais ficar
Tem gente alegre aí fora querendo entrar
Tem gente preocupada querendo me alegrar
Pegue suas máscaras
Sua amargura e seu rancor
Leve tudo embora
leve agora, por favor,
Vou abrir as portas para a Dona Felicidade entrar
Ela se esconde só que agora quis voltar
Ela se esconde por medo ou algo assim
Ela se esconde, mas não se afasta de mim
Vou abrir meu riso e fechar o meu pranto
Sei que é assim dessa forma que lhe espanto
Para falar a verdade
não gostei da sua companhia
Enquanto esteve aqui
eu fui só melancolia
Dona Tristeza precisamos conversar
é do lado de fora que você deve ficar
Dona Tristeza você deve ir
Não me atormente nem me proíba de sorrir
Vou abrir meu riso
E enxugar o meu pranto
Sei que é dessa forma
Dessa forma que lhe espanto.

(Publicado em 2005)

Veja Também

Minha doce Maria

Maria do Carmo é a terceira, dos 10 filhos da família Oliveira. Acaba de completar 71 anos. Não casou, não tem filhos, mas cuidou de um família enorme e merece todo o reconhecimento que ainda não teve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *