Home / De Salto Alto / Novela Boulanger Pucci

Novela Boulanger Pucci

Foto: Jornal de Uberaba
A novela Boulanger Pucci ganhou mais um capítulo. O Grupo JM (Rádio JM e Jornal da Manhã) divulgou  que a Prefeitura Municipal de Uberaba desistiu do processo de desapropriação da área que, por muitos anos, foi sede do centro de treinamentos do Uberaba Sport Club. Para a Justiça, o local vale pouco mais de dois milhões de reais. Comercialmente falando, este valor pode chegar a três vezes mais.
Acompanhei, através das redes sociais, a expectativa e a dúvida da torcida colorada: este fato, novo e inesperado, é benéfico ou não ao clube?
Analisando os fatos, vou repetir o que defendo desde o dia 3 de dezembro de 2009, data em que comissão técnica, os jogadores e funcionários do USC foram despejados do CT: esqueçam Boulanger Pucci.
É necessário entendermos que o Uberaba Sport perdeu judicialmente seu patrimônio.
Uma administração desastrosa, a negligência e a incompetência dos advogados que defenderam o clube na época, resultaram nisso.
Vale a pena lembrar que o clube vem pagando parte das dívidas, mas igual a todo time de futebol brasileiro, o USC está individado.
Se dificilmente o Uberaba Sport Club consegue patrocínio para bancar um time razoável na primeira divisão do Campeonato Mineiro, como conseguir verba para quitar as pendências financeiras?
Outro ponto importante: perder Boulanger Pucci resultou em constrangimento e dificuldades para o clube, é verdade, mas o que conquistou com esta história, não conta?
Hoje, o clube tem reais condições de ter um centro de treinamentos moderno e com a infraestrutura que o futebol exige. Nunca, desde que me entendo por gente, tantas pessoas estiveram envolvidas com os problemas financeiros do USC.
O que restou de BP? Uma área enorme, da qual ninguém teve o cuidado de, se quer, carpir o mato, além da história e capítulos de uma novela que parece não ter fim.
Ao time de futebol e à torcida, resta pensar no amanhã. Na história que o clube escreveu após os episódios Boulanger Pucci. Se o leilão vai ou não ser validado, após a PMU retirar o interesse na desapropriação, caberá à Justiça decidir. Seja lá qual for a decisão, não acredito que ela interfira ou modifique a situação do USC, como algumas pessoas comentaram.
Na verdade, se a desapropriação acontecesse, a quem pertenceria a área?
Minha preocupação é que o embrolho “Boulager Pucci” sirva de lição para que com o Centro de Treinamentos Dr. Constantino Calapodopulos, no futuro, não aconteça a mesma coisa. Minha expectativa é que o Uberaba Sport faça uma campanha no Campeonato Mineiro à altura do seu nome e do amor da sua torcida.
O resto é resto. Passado triste, que o torcedor deseja esquecer e não ficar cutucando feridas como se isso fosse ajudar o time a ser o melhor do mundo.

Leia matéria divulgada pela assessoria de comunicação da PMU, informando sobre a desistência da ação de desapropriação

Prefeitura desiste da desapropriação de estádio do USC para investir em parque e mobilidade urbana

Procurador geral da Prefeitura de Uberaba, Sérgio Tiveron Juliano, protocolou na tarde de quinta-feira (dia 19) desistência por parte do município da ação de desapropriação do estádio Boulanger Pucci ao juiz da 5ª Vara Cível. Com a medida, a PMU quer resgatar o depósito de R$ 4,5 milhões, feito em garantia judicial, para investir na urbanização do Parque dos Três Poderes e no projeto de mobilidade urbana.

Ao tomar conhecimento à proposição feita ao Judiciário, o prefeito Anderson Adauto declarou que os recursos resgatados serão investidos na criação do Parque dos Três Poderes, urbanizando a antiga mata existente nas proximidades do Centro Administrativo e interligando a avenida Maranhão ao novo fórum e a futura sede da Câmara Municipal. Outra destinação será o projeto de mobilidade urbana, mais precisamente na implantação do sistema de transporte coletivo Leste-Oeste, com terminais nas imediações do estádio Uberabão e no conjunto Manoel Mendes e estações de embarque climatizadas ao longo da avenida Leopoldino de Oliveira.

Na medida de desistência, o procurador Sérgio Tiveron salientou que inicialmente se projetou a criação de um parque na área do estádio Boulanger Pucci. Contudo, com as novas e necessárias prioridades, o governo municipal verificou que o parque seria mais bem instalado em local de maior extensão. Por isso, os valores já depositados pelo município serviriam bem a esse propósito, razão pela qual a PMU optou por desistir da ação e até já revogou o decreto expropriatório. Desta forma, o procurador requereu a homologação da desistência e, por conseqüência, a liberação dos valores depositados.

Veja Também

Diretoria tropeça nas pernas

O que eu não esperava é que a diretoria do Nacional, depois de tantas chibatadas no lombo, voltasse a cair em contos do vigário, assim tão depressa.

4 Comentários

  1. Fernando Vanucci

    acabei de ler…e me deu saudades do meu tempo de repórter e narrador da Sociedade e da 7 Colinas. Era tudo ali no velho e esquecido BP. Lá, fui mascote do Botafogo, meu time do coração, com Garrincha, Didi, Nilton Santos, e tantos outros. Tenho várias fotos comigo entrevistando grandes craques do futebol brasileiro. Como Tostão, por ex. Torço muito para o novo CT dar certo e o o nosso Uberaba seja o que sempre foi: o maior clube do interior mineiro. Parabéns, Janaína. Vc é ótima. Bjs.

  2. José de Almeida

    Janaína, li e reli seu texto. Primeiro senti uma raiva enorme de você. Como, menina, a gente vai esquecer o Boulanger Pucci? Só que depois entendi o que quis dizer e disse bem.
    É hora de pensar no futuro. O que perdeu está perdido.
    Muito bom ler seus textos de novo. (Que rádio você está? Quero te ouvir aqui de Araguari).

  3. José Augusto Rodrigues Borges

    Infelizmente, o caso parece perdido, porém, acho que aqueles que amam de verdade o glorioso USC, e que tenham boa intenção, devem objetivar não em ter de volta o “BP”, e sim esclarecer e cobrar daqueles que lapidaram todo o patrimônio do USC! Obs.: Como na conhecida canção: Onde tá o dinheiro? “O gato comeu!” “Será que ninguém viu?!…Só a Justiça que é cega! José Augusto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *