Home / Poemas / Roda Gigante

Roda Gigante

Como uma roda gigante
Minha vida não para de girar
Sei que corro perigo
Posso cair e não ter ninguém pra me salvar

Os meus medos sempre guardei pra mim
Ninguém nunca saberá quem eu sou
A menos que tenha paciência para me ouvir
Me deixar explicar que eu não sei quem eu sou

Quero sair da corda bamba
E viver melhor do que vivi até agora
Sem medo ou vergonha

Ei, há alguém aí?
Que possa apenas me ouvir?
E não queira me julgar?

Conheci tantas pessoas
Nenhuma conseguiu me entender
A nenhuma delas quis me revelar

Hoje eu sei que o amor
É como uma xícara de café
Às vezes tão amargo e quente
Que pode te queimar

Mas os meus medos eu guardo só pra mim
Você nunca saberá se chorei
Ou se quis fugir de algum lugar.

As pessoas só sabem que eu existo…
Talvez um dia eu queira explicar
Que eu também não sei quem eu sou…

Veja Também

Minha doce Maria

Maria do Carmo é a terceira, dos 10 filhos da família Oliveira. Acaba de completar 71 anos. Não casou, não tem filhos, mas cuidou de um família enorme e merece todo o reconhecimento que ainda não teve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *